HISTÓRIA:

Na cozinha junto à lareira havia sempre dois ou três potes, um grande sempre com água a ferver, que se utilizava para as tarefas domésticas e para os banhos, um de reserva e outro sempre com caldo.

Quando não havia muito tempo para as lidas na cozinha e a hora de ir para a mesa chegava, a família tinha que ser confortada com algo que agasalhasse o estômago e que sobrasse para a ceia. Porque a lida continuava.

O caldo no pote era uma solução perfeita. As mulheres da casa preparavam as coisas de véspera e de manhã cedo. Levavam tudo ao pote, que era colocado na lareira perto da fogueira, de forma que se deixasse fazer. Era um caldo com mantença como se costumava dizer.

 

“À lareira vive a alma de gerações passadas: A alma do fogo, a alma do lar A alma de tanta gente moça que sobre ela se curvou, em penumbras de mistério, A alma de tanta decrepitude humilde que, sentada na sua grande pedra, sofreu, sofreu; Ouviu gargalhadas cristalinas, joviais histórias, infindáveis contos, expansões sem fim; Conheceu dores sem fim, contemplou rostos radiosos e expressões torturadas; Viu amar, sofrer e agonizar.

Ouviu, invernos sem fim, uivar o vento, cair a chuva, latir os cães nas trevas, Viu gerações sem fim nascer, viver, decair, morrer, Ouviu cantar e ouviu chorar, ouviu risos e ouviu gritos, viu aleluias, calvários. Preparou ceias sem conta, viu surgir gerações, desaparecer gerações, assistiu à vida e contemplou a morte.”

Abel Salazar, Recordações do Minho Arcaico

 

PREPARAÇÃO:

Adaptei a receita ao nosso tempo, já não temos lareiras com potes a fumegar.

Demolhar o feijão de um dia para o outro, e escaldar a orelheira para facilitar a sua lavagem.

Colocamos numa panela água suficiente, a orelheira, toucinho, unto chouriço e morcela. Deixar levantar fervura e juntar a cebola, alho, salsa e a folha de louro. Retirar a morcela e o chouriço e juntar o feijão, as batatas e a couve-galega, temperar de sal e deixar cozer em lume muito brando. Quando estiver cozinhado retirar as carnes e cortam-se em bocadinhos, corta-se também a morcela e chouriça às rodelas e juntamos tudo novamente na panela; deixamos que levante fervura e adicionamos a farinha desfeita em água e mexemos com cuidado, deixar ferver um bocado e retirar. Levar à mesa em terrina e servir bem quente.

 

Ingredients

Directions

Caldo no pote com presigo