VALENÇA

Valença soma razões suficientes para que o viajante se inspire ainda mais, a percorrer e conhecer esta linda terra, um verdadeiro prémio para os amantes do património arquitetónico da natureza, das caminhadas e da gastronomia!... É descobrir a grande riqueza que tem o Vale do Minho e Portugal.

Destaca-se pela sua grandiosidade!…
Aqui as potencialidades não têm limite.
A realidade é que todos os caminhos vêm dar a Valença!..
Tomando como ponto de partida o fascínio e imponência da fortaleza, uma das mais impressionantes e (a mais) visitadas do país!… A hospitalidade e oferta gastronómica fazem com que Valença mantenha e ganhe rasgos de personalidade própria. Aqui termina o mais importante percurso por Portugal do Caminho Português a Santiago de Compostela para entrar na Galiza, pois esta reta final da peregrinação, estaria incompleta sem a passagem pela terra de São Teotónio o primeiro Santo Português. Valença é um desses lugares com muitos encantos para descobrir. Abarrotada de história, ao recorrer as suas muralhas, é como fazer um bordado passo a passo, revivendo o seu Passado… Lendas e cultura de séculos. Baixo os seus pés guardam-se narrativas e mitos plausíveis. Com um centro histórico que desafia à tranquilidade, a passear descontraidamente, pelas suas ruas medievais, com restaurantes e comércio que oferecem uma diversidade de artigos apetecíveis a qualquer viajante, a visitar o Núcleo Museológico Municipal e o Museu do Bombeiro, tudo sem se perder de vista a grandiosidade do seu património. Dos 10 baluartes que circundam a fortaleza. O da Lapa, da Esperança, do Faro, de S. Francisco, do Socorro, do Carmo, e de S. João, de Santa Ana, S. Gerónimo e Santa Bárbara, pode o viajante contemplar as mais belas paisagens.Do Baluarte do Socorro, um dos mais belos miradouros deste pitoresco e insinuante Vale do Minho virados para Espanha, comtemplamos as duas pontes, a nova e a velha que são nossas e de Espanha. Ao fundo está Tui a cidade irmã!… Destaca-se o impressivo apinhoado granítico escurecido pelo tempo, a sobressair a imponência da sua catedral e a grandiosidade de todo o conjunto da cidade, com
o Monte Aloia ali sempre vigilante!… Na margem portuguesa o olhar perde-se num imenso tabuleiro de verde acompanhado pelos matizes do nosso Monte do Faro, as casas e os campanários rurais que parecem malmequeres brancos de uma espécie que nunca morre!… A nossos pés o rio Minho, com o qual temos uma convivência idílica deste cenário ribeirinho!…

Topo